No princípio era a noite
ou o crepúsculo se a morte descia
ainda sobre a falésia.
Quatro homens amansavam o declive
com a suave inclinação do féretro.
Duas crianças — isso recordo
com invulgar precisão — aquietavam
augúrios e lamentações.
Era quase noite. Do outro lado da cova,
no extremo funesto do luto, uma menina
— talvez distraída da morte —
alumiava silenciosamente o ocidente.

Musée d’Orsay | Paris, 25 de novembro de 2017
Pintura: “Un enterrement à Ornans” [1849-1951] | Gustave Courbet [1818-1877]