[desde 2013.14]

MONOGRAFIA

‘Acerca do desterro: hermenêutica literária e arqueologia cultural’.
Prefácio de Guilherme d’Oliveira Martins. Maia, Cosmorama Edições, 2018.

‘Vida e Obra de Guilherme de Faria. Os versos de luz por escrever’.
Prefácio: Maria João Reynaud. Maia, Cosmorama Edições, 2013.

ENSAIOS | ARTIGOS

“A vida é um simulacro. Leituras de ‘Húmus’ de Raul Brandão e de ‘Grito’ de Rui Nunes”, in Actas do Colóquio Internacional em Homenagem a Raul Brandão nos 150 Anos do seu Nascimento e no Centenário de Húmus, Porto, Câmara Municipal do Porto, 2018. *

“Aos ombros de gigantes. A relação de Guilherme de Faria com Carlos de Lemos, Raul Brandão, António Nobre e Camilo Pessanha”, in Ernesto Rodrigues [org.], ‘1867 — Um ano de gigantes. Raul Brandão, António Nobre e Camilo Pessanha’, Lisboa, Edição do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2018, pp. 109-131.

“Dar graças pelo dom de Fátima”, in Pedro Valinho Gomes [coord.], ‘Tempo de Graça e Misericórdia [Guia do Peregrino 2017-2018]’, Fátima, Santuário de Fátima, 2017, pp. 19-30.

“Qualquer coisa de intermédio. Da estesia à astenia: o sono abúlico, a morte e outras derivas intertextuais na poesia de Mário de Sá-Carneiro”, in Fernando Curopos e Maria Araújo da Silva [org.], ‘Paris, Mário de Sá-Carneiro et les autres’, Paris, Éditions Hispaniques, 2017, pp. 79-96.

“Iniciativa e Realização: as Escolas e as Empresas. A experiência do Colégio Luso-Francês”, in ‘VII Jornadas Empresariais Iniciativa e Realização’, Porto, Fundações AEP e Serralves, 2017, pp. 101-105.

“Deus, a morte e um povo suicida. O caso exemplar de Manuel Laranjeira”, in ‘Humanística e Teologia’ [Faculdade de Teologia — UCP Porto], Ano 38, Fascículo 1 [38:1], jun. 2017, pp. 125-144.

“O caminho que te conduzirá até Deus” [caderno temático sobre o Imaculado Coração de Maria: introdução], in ‘Fátima XXI’ [Revista Cultural do Santuário de Fátima], n.º 7, jun. 2017, pp. 24-25.

“Joaquim de Araújo. Lâmpada apagada cujo ouro brilha no escuro pela memória da extinta luz” [prefácio], in Joaquim de Araújo, ‘Constelações no azul magoado’ [‘Lira Íntima’, ‘Ocidentais’ e ‘Flores da Noite’], Maia, Cosmorama Edições, 2017, pp. 9-16.

“Fronteiras invisíveis. Manuel Laranjeira e Miguel de Unamuno: sobre o desterro e a vertigem suicidária na cultura portuguesa”, in ‘Poesia e Filosofia de Fronteira: diálogos e intertextualidades’, Salamanca/Maia, Instituto de Pensamiento Iberoamericano e Cosmorama Edições, 2017, pp. 9-34.

“Un modo de amarte dentro del tiempo. Sobre la nostalgia de dios en la poesía de Daniel Faria”, in Cecilia Avenatti de Palumbo e Alejandro Bertolini [ed.], ‘El amado en el amante. Figuras, textos y estilos del amor hecho historia’, Buenos Aires, Agape Libros, 2016, pp. 451-464.

“António Pedro. Em mansamente dolorida ausência e uma saudade mansíssima: os primeiros vinte anos e a poesia dos anos vinte” [posfácio], in António Pedro, ‘Poesia [1926-1929]’, Maia, Cosmorama, 2016, pp. 281-322.

“Aquela espécie de mulheres que estão sempre na margem daquilo a que pertencem. O caso de Judith Teixeira”, in Maria Graciete Besse e Maria Araújo da Silva [org.], ‘Femmes oubliées dans les arts et les lettres au Portugal [XIXe-XXe siècles]’, Paris, Indigo & Côté-femmes éditions, 2016, pp. 187-205.

“Feito de amar entre os homens apenas as coisas mais efémeras. Leituras da poesia de Valter Hugo Mãe”, in Carlos Nogueira [org.], ‘Nenhuma palavra é exata. Estudos sobre a obra de Valter Hugo Mãe’, Porto, Porto Editora, 2016, pp. 50-59.

“Entre o movimento conciso do último passo e a magnífica treva de existir a sós. O último livro de Fernando de Castro Branco” [prefácio], in Fernando de Castro Branco, ‘Desde Portugal’, Maia, Cosmorama Edições, 2016, pp. 7-12.

“Um modo de ter amar dentro do tempo. Sobre a saudade de Deus na poesia de Daniel Faria”, in ‘Igreja e Missão’ 232, maio/agosto 2016, pp. 201-217.

“Interseções. Afonso Lopes Vieira, José Bruges d’Oliveira e Guilherme de Faria: intertextualidades e intercontextualidades”, in ‘Cadernos de Estudos Leirienses’ 7, abril 2016, pp. 87-116.

“Viajar outros sentidos, outras vidas. António Nobre, Mário de Sá-Carneiro e Guilherme de Faria: interseções existenciais”, in ‘Revista Portuguesa de Humanidades — Estudos Literários’ [Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos, UCP], 19-2, 2015, pp. 31-56.

“Poetas-filósofos ou filósofos-poetas? Disforia histórico-cultural no contexto português: entre Antero de Quental e Teixeira de Pascoaes”, in ‘O tema do Homem na literatura hispano-portuguesa contemporânea’, Salamanca/Maia, Instituto de Pensamiento Iberoamericano e Cosmorama Edições, 2015, pp. 163-185.

“Acerca do desterro: António Nobre, Mário de Sá-Carneiro e Guilherme de Faria. Teias contextuais, intertextuais e intratextuais”, in ‘Boletim de Trabalhos Históricos’ [Arquivo Municipal Alfredo Pimenta, Guimarães], 2014, pp. 8-28.

“Os vossos jovens terão visões – As crianças de Fátima e a visão do [in]visível”, in ‘Fátima XXI’ [Revista Cultural do Santuário de Fátima], n.º 2, out. 2014, pp. 64-66.

“Onde a resiliência da pedra toca a exação da fratura. Leituras da poesia de Jorge Melícias” [posfácio], in Jorge Melícias, ‘Alvídrio’, Cosmorama Edições, 2014, pp. 175-190.

“Saudade Minha [poesias escolhidas], o livro definitivo de Guilherme de Faria” [prefácio], in ‘O Livro de Guilherme de Faria I. Saudade Minha [poesias escolhidas]’, Cosmorama Edições, 2013, pp. 9-30.

“O vazio que persiste à minha beira. Sobre o lugar de Deus na poesia contemporânea”, Cátedra Poesia e Transcendência [Universidade Católica Portuguesa, Porto], 2013; in ‘Igreja e Missão’ n.º 224, set./dez. 2013, pp. 369-384.

“Leonel Oliveira, presbítero da Igreja” [prefácio], in Leonel Oliveira, ‘Duma só coisa quis saber’, Cosmorama Edições, 2013, pp. 9-15.

——————————
* Publicações previstas para 2018.

| www.academia.edu